terça-feira, 11 de Março de 2008

O AMBIENTE…

Lá muito por cima das nossas cabeças, existe uma camada invisível de ozono que protege a superfície da Terra dos perigosos raios ultravioletas. Esta fina camada é a única protecção que o nosso planeta dispõe para filtrar os perigosos raios ultravioletas do sol.
Mas agora, o Homem está a destruir esse escudo protector. A primeira manifestação da redução da camada de ozono, foi descoberta na Antártida em 1986.
Actualmente, o perigo já não se restringe só ao continente Antárctico, em mais algumas extensões “o escudo do ozono” está a ficar mais fino, permitindo a intensificação dos raios ultravioletas e novos “buracos”, podem surgir sobre regiões populosas de qualquer latitude.
A destruição da camada de ozono tornou-se, assim, um problema ambiental à escala global.
O ambiente divide-se em dois tipos: o abiótico e o biótico.

MEIO AMBIENTE
Em biologia, sobretudo na ecologia, o meio ambiente inclui todos os factores que afectam directamente o metabolismo ou o comportamento de um ser vivo ou de uma espécie, incluindo a luz, o ar, a água, o solo – chamados factores abióticos – e os seres vivos que coabitam no mesmo biótopo.
Os factores ambientais sem vida, tais como temperatura e luz do Sol, formam o meio ambiente abiótico. E os seres vivos ou os que recentemente deixaram de viver, tais como as algas e os alimentos, constituem o meio ambiente biótico. Tanto o meio ambiente abiótico quanto o biótico actuam um sobre o outro para formar o meio ambiente total de seres vivos e sem vida.

AMBIENTE ABIÓTICO
O meio ambiente abiótico inclui factores como solo, água, atmosfera e radiações. É constituído de muitos objectos e forças que se influenciam entre si e influenciam a comunidade de seres vivos que os cercam. Por exemplo, a corrente de um rio pode influir na forma das pedras que jazem ao longo do fundo do rio. Mas a temperatura, limpidez da água e sua composição química também podem influenciar toda sorte de plantas e animais e sua maneira de viver. Um importante grupo de factores ambientais abióticos constitui o que se chama de tempo.

Sua Influência
Os seres vivos e os destituídos de vida são influenciados pela chuva, geada, neve, temperatura quente ou fria, evaporação da água, humidade, quantidade de vapor de água no ar, vento e muitas outras condições do tempo. Muitas plantas e animais morrem a cada ano por causa das condições do tempo. Os seres humanos constroem casas e usam roupas para proteger-se dos climas ásperos. Estudam o tempo para aprender a controlá-lo. Outros factores abióticos abrangem a quantidade de espaço e de certos nutrientes ou substâncias nutritivas de que pode dispor um organismo.
Todos os organismos precisam de certa quantidade de espaço em que possam viver e levar avante as relações comunitárias. Também precisam de certa quantidade de nutrientes desprovidos de vida, como por exemplo o fósforo, para manter actividades corporais como a
AMBIENTE BIÓTICO
O meio ambiente biótico inclui alimentos, plantas e animais, e suas relações recíprocas e com o meio abiótico. A sobrevivência e o bem-estar do homem dependem grandemente dos alimentos que come, tais como frutas, verduras e carne. Depende igualmente de suas associações com outros seres vivos. Por exemplo, algumas bactérias do sistema digestivo do homem ajudam-no a digerir certos alimentos.
Os factores sociais e culturais que cercam o homem são uma parte importante de seu meio ambiente biótico. Seu sistema nervoso altamente desenvolvido tornou possível a memória, o raciocínio e a comunicação. Os seres humanos ensinam a seus filhos e aos seus companheiros o que aprenderam. Pela transmissão dos conhecimentos, o homem desenvolveu a religião, a arte, a música, a literatura, a tecnologia e a ciência. A herança cultural e a herança biológica do homem possibilitaram-lhe progredir além de qualquer outro animal no controle do meio ambiente. Nas últimas décadas, ele começou a explorar o meio ambiente do espaço cósmico.
Todo ser vivo se encontra em um meio que lhe condiciona a evolução de acordo com o seu património hereditário. A reacção evolução sobre o património leva à individualização dos seres e a sua adaptação ao modo de vida. Quando o meio muda, o organismo reage através de uma nova adaptação (dentro da faixa permitida pelo património hereditário) que, segundo Lamarck, seria sempre eficaz, mas que, na realidade, pode ser prejudicial e agravar as consequências da mudança. Por exemplo, alterações bruscas como as que geralmente ocorrem em lagoas acarretam muitas mortes.
A locomoção, no reino animal, e a dispersão dos diásporos, no reino vegetal, permitem às espécies instalarem-se em novos ambientes, mais favoráveis. É o aspecto principal da migração. O organismo pode, também, diminuir as trocas ou contactos com um meio hostil através da reclusão (construção de um abrigo, enquistamentos, anidrobiose, etc.)‏
Enfim, uma espécie pode organizar seu meio por iniciativa própria (insectos sociais, castor e espécie humana).

Sem comentários: